julho 14, 2013

ESPECIAL: Surpreenda-se com Oslo



Assim que cheguei à Noruega fui recebida com a mais pura generosidade e simpatia por todos os lados. No aeroporto, no ônibus, na loja de conveniência, nas ruas, nos restaurantes, e acredite se quiser, mas até OI de desconhecidos na rua acontecem.

Foi um choque cultural. Chegando de Paris onde raramente via um sorriso e já nem me lembrava como era um. Não há correria, as pessoas falam e olham pra você, te dão atenção e tentam te ajudar da melhor forma possível.

Dattera til Hagen: Noite descolada e divertida em Oslo.

No hostel conheci uma dupla fantástica de brasileiros, mas foi na rua que conheci a pessoas mais gentil possível. Enquanto me pegava perdida com uma brasileira e nos perguntávamos qual linha deveríamos pegar até o terminal central ela nos abordou e ofereceu ajuda. Saiu do seu caminho e nos levou e depois me convidou pra tomar uns chopps. Essa foi minha primeira noite em Oslo, uma baladinha super legal que chama Dattera til Hagen, cheia de jovens descolados e um rapper trendy que por lá tocava cheio de seguranças. Nascido no Peru e residente em New York ele era a atração da festa, mas eu confesso que não faço a mínima ideia de quem seja e não consegui descobrir.



No segundo dia eu pude ver OSLO e toda sua beleza. O sol saiu um pouco e a cidade fica ainda mais bonita. Natureza abundante e uma organização que não vi igual em nenhum outro lugar. Limpeza, educação, simplicidade de locomoção, um ar puro, uma gente gentil. A arquitetura é uma das melhores atrações de Oslo. Prédios modernos e de cair o queixo se erguem sem parar. A cidade está em ebulição no que diz respeito à construção civil. A região próxima à Ópera, que fica bem no centro, logo atrás da estação central é um canteiro gigante de obras. 

Os tons de verde são muitos, as pessoas deixam seu trabalho por um minutinho que seja para ajudar você a encontrar seu destino, e isso é algo que vai além da gentileza e não tem como não te deixar encantado e tocado. Coisas assim parecem simples, bobas, comuns, mas quando se está em um país tão diferente e não se compreende nada da língua (norueguês é um tanto quanto estranho para nós brasileiros e ler os nomes das ruas exige muita atenção) estas atitudes são um verdadeiro acalento e deixam você bem tranquilo com a certeza de que as pessoas estarão lá para ajudá-lo caso você precise.

Outra atração interessante é o ritmo das coisas e das pessoas. Os carros param para você passar - com calma - assim como os veículos do transporte público. Às vezes ficava confusa porque o sinal estava fechado para pedestres, mas o carro parava mesmo assim e esperava atravessar. Buzinas? Não ouvi nenhuma vez esse barulho em Oslo. Barulho é algo quase inexistente, não fossem os refugiados estrangeiros que são mais escandalosos e já são grande parte da população.

Jamais imaginei gostar da Noruega e que os noruegueses fosse pessoas tão alegres e acolhedoras, mas a vida é pra isso né? Surpreender-se e encantar-se. 

Tullins Café em Oslo: uma opção barata para os padrões noruegueses, mas com uma comida acima da média em termos de sabor. Pratos convencionais e outros nem tanto para os que gostam de provar novas combinações.

BONITO SAI CARO
No que diz respeito a riqueza ali também é parece ser o topo da pirâmide. Não se vê pessoas esbanjando muito por lá, mas de um modo geral as pessoas têm uma vida muito boa na Noruega e ganham mais do que em qualquer outro país, inclusive escandinavo. Conheci vários estrangeiros (até suecos) que estavam lá para tentar um trabalho e outros que já estavam morando lá. 

A riqueza do país se explica aparentemente pela descoberta de petróleo. Tudo é caro e não há muitas opções de hostel em Oslo, mas você será bem servido com as opções que existem. Ainda não consegui entender a economia norueguesa e como as pessoas ganham tão bem e as coisas custam tão caro. Tudo é caro e o orçamento já estourou na chegada. Poderia ter economizado mais, mas daí não teria curtido nada. Acho que vale sair e conhecer restaurantes, cafés, bares, afinal de contas, sem isso de que vale viajar?

Para que vocês tenham uma ideia dos custos eu cito alguns exemplos já com a conversão de junho/2013:
1 água mineiral 500 ml na loja de conveniência = R$ 8,00
1 café da manhã (croissant + café) = R$ 27,00
1 almoço / sanduíche + 1 refrigerante (lugar barato, mas bacana) = R$ 70,00
1 almoço / pasta + 1 cerveja (lugar barato, mas bacana) = R$ 95,00
Transporte liberado por 1 semana = R$ 110,00
Museus = Preço médio R$ 35,00
1 cerveja (bares e restaurantes) = R$ 25,00
Hostel, por noite em quarto compartilhado = R$ 100,00
Hotel simples = R$ 190,00

MOEDA
As Coroas Norueguesas são a moeda local e valem cerca de R$ 0,47. Pode levar o cartão de crédito ou usar o de débito de Euro ou Dólar que as casas de câmbio vendem. 
Usei o de Euro (já que meu orçamento estourou na chegada) e deu tudo certo. Usar cartão na Noruega é a coisa mais simples que já vi na vida. Você nem sente passando.

No museu da arquitetura uma instalação sensorial com casinhas de passarinhos espalhadas por toda a sala e sons característicos de cada espécie. Para crianças e adultos.

DESIGN
Se você é chegado em design - qualquer tipo de design - vai amar e ficar doido por lá. Eles são especialmente fascinados por coisas feitas para casa, já que passam muito tempo nelas devido ao frio. 
Há uma enormidade de produtos de todo tipo para casa (móveis, peças de decoração, louças, luminárias, etc. Lojas e mais lojas para babar e muitas com preços razoáveis. Comprar roupas e sapatos é mais caro do que peças para casa. Sapatos são especialmente caros. Bom seria importar os nossos para vender por lá.

Há uma grande variedade de empresas especializados em design de móveis, galerias de arte, museus específicos de arquitetura, arte moderna, contemporânea e design e pouco tempo para curtir e apreciar tudo. 

Vigeland's Park

Oslo é na minha opinião a melhor cidade para se visitar. Te recebe de braços abertos e faz de tudo para tornar a sua estadia a mais fantástica e positiva experiência. O escritório de informações turísticas 
oferece inúmeras possibilidades para que você economize na maioria dos programas, até mesmo nas compras. 

Definitivamente não sei qual a sensação de ir até lá no inverno, até porque no verão eu peguei alguns momentos de sol e muitos de frio e chuva, mas o legal foi ver o dia durando praticamente 24 horas. Anoitece suavemente por volta das 11 da noite e fica mais escurinho (não escuro de verdade) até umas 3 ou 4 horas e logo o dia já começa a regressar. Mais ao norte do país não há noite nesse período e no inverno é só o que há. São particularidades que podem afetar o humor das pessoas e definitivamente 
afetarão sua viagem como um todo. Acho que no verão (junho especificamente) é uma época bacana onde você tem a chance de ver as cores vivas da natureza de Oslo e também curtir um certo friozinho que acaba batendo.

Programe-se e curta porque o Trends recomenda com nota máxima!
Postar um comentário