outubro 17, 2013

ARQUITETURA: Casa Cor MG 2013

A mostra Casa Cor é há muitos anos uma oportunidade para profissionais e clientes se encontrarem. Explico: os profissionais têm a oportunidade de expor seu trabalho para o grande público enquanto o público (provável futuro cliente) têm a possibilidade de conhecer melhor o estilo de cada profissional e fazer uma escolha mais acertada na hora da contratação dos serviços.

Vista da entrada da casa.

Piscina e deck com uma vista de tirar o fôlego e que nos faz pensar em apenas uma coisa: festas!

Este ano a mostra mineira volta à região da Pampulha - pela 5ª vez - em uma casa da década de 50 (1954) projetada por Oscar Niemeyer há 70 anos. O evento acontece até do dia 22 de outubro (3ª feira) e vamos agora ao que interessa né? Os ambientes que são a cara dos machos estilosos que vocês são!


GARAGEM 
Andréa Buratto


Para os apaixonados por carros (difícil um homem que não é né?), uma garagem que mais parece uma sala de estar. Para você admirar os seus veículos, receber os amigos, fazer aquela reuniãozinha do final de semana no maior sossego. A garagem realmente é um espaço multifuncional e conta com sala de estar, espaço gourmet e área de descanso. O cinza e o preto ganham vida com toques de azul e amarelo.


SALA DE MÚSICA
Graziela Costa, Kivia Costa, Zuleica Lombardi e Erika Steckelberg


O grupo mineiro de pop rock Jota Quest foi a inspiração desse ambiente em tons claros. Destaque para os painéis na parede e para a textura do piso e paredes que lembram madeira, mas são de um material para piso chamado vinílico. Na decoração, um acervo de instrumentos e objetos pessoais da banda dão o toque final do ambiente.


QUARTO MASCULINO
Danielle e Gustavo Bellini


Os móveis especialmente desenhados para o ambiente e o sistema de automação com tecnologia wireless são os destaques desse ambiente. O sistema de automação permite a criação de cenários de iluminação e o controle das luzes e aparelhos elétricos à distância por controle remoto ou pulsadores sem fio (instalados no lugar de interruptores convencionais). Além de tecnológico o sistema torna tudo mais sustentável. O quarto foi desenvolvido em homenagem ao músico mineiro Flávio Venturini, que cedeu fotografias, partituras e instrumentos para personalizar o espaço.


ESCRITÓRIO
Ana Lucia Rodarte


O projeto foi concebido em homenagem a Niemayer e minha maior paixão são os bancos do designer brasileiro Humberto Damata. Apesar de pequeno, apenas 20 m², o ambiente é charmoso. Conta com fotos de obras do arquiteto e uma chaise desenhada por ele em 1978.


POCKET HOUSE
Cristina Menezes


Esse projeto é muito legal por dois motivos: primeiro porque o ambiente é em um container e segundo porque adoro projetos pequenos. Acredito que o tamanho dos espaços devem ser repensados e isso é uma atitude muito sustentável acima de tudo. O projeto ainda contempla os preceitos da mobilidade física e de uma casa sustentável. A decoração é bem étnica e com muitas referências indígenas. Sala, cozinha, mesa de jantar, banheiro, quarto e escritório em menos de 30m². 


ATELIER DA CHEF
Bruna Paz, Manuela Lolato e Marcela Menim / Ilustração: Design Com Asas



O Atelier da Chef é um espaço de pouco mais de 7m² que foi pensado para momentos de confraternização entre amigos. Acho uma boa ideia para quem quer uma cozinha pequena, mora sozinho, especialmente em apartamentos menores. O ambiente se torna mais interativo com as paredes pintadas em tinta acrílica especial para escrever receitas, recados e desenhos. Muito bom para as crianças rabiscarem à vontade. 
Um ponto altíssimo nesse ambiente são as ilustrações da Marina Rocha da Design Com Asas, responsável pela logomarca e identidade visual do Trends.




QUEREMOS MAIS
O Trends acha que o projeto original é lindo e alguns detalhes - como a parede de azulejos externa - são um charme, mas considerando a decoração como um todo acredito que seria incrível se tivéssemos mais ousadia, cores e estampas inovadoras. 

O uso excessivo de tons terrosos e materiais rústicos fica cansativo e um pouco menos de sobriedade nos ambientes seria renovador e inovador. A mostra pode manter um viés comercial sem perder na ousadia e na inovação, especialmente em um momento onde temos tanto acesso à informação e projetos do mundo inteiro, assim como materiais e produtos. 



Menos segurança e mais ousadia nas misturas de linguagem vão na minha opinião engrandecer a experiência dos profissionais e, especialmente, do público que busca se inspirar.

Postar um comentário